Auta de Souza

 

No Centro Espírita Paulo de Tarso, a Campanha de Fraternidade Auta de Souza (CFAS) é uma alegria só… Os amigos se reúnem, estudam, crescem juntos e colaboram não somente com o Centro, mas também, com a comunidade local. O trabalho desenvolvido pela CFAS foca o desenvolvimento humano daqueles que a frequentam, educando e formando indivíduos ativos positivamente na sociedade.

A Campanha de Fraternidade Auta de Souza, idealizada pelo companheiro Nympho de Paula Corrêa e aprovada em 1953 pelo Departamento de Assistência Social da Federação Espírita do Estado de São Paulo, é uma bela homenagem à nossa querida poetisa Auta de Souza. E até hoje essa Campanha é feita no Brasil inteiro!

No Centro Espírita Paulo de Tarso, a Campanha acontece todo domingo, a partir das 9h30.

Saiba mais:

O que é a Campanha de Fraternidade Auta de Souza?

A Campanha de Fraternidade Auta de Souza destina-se a levar a sublimidade dos ensinos de Jesus, através da Doutrina Espírita, aos lares visitados, sob a forma de uma palavra de conforto e de bom ânimo, de um ensinamento ou de amorosa vibração, através de mensagens transmitidas pelos Espíritos responsáveis pela Evangelização do Brasil, e, bem assim, angariar donativos para as famílias carentes de ajuda em alimentos, roupas, agasalhos, etc.

Quais são os objetivos da Campanha?

divulgação da Doutrina Espírita, nos lares (de porta em porta), através da difusão de mensagens de Espíritos reconhecidos evangelizadores;
arrecadar donativos em alimentos, roupas, etc., a serem distribuídos às famílias carentes, assistidas;
beneficiar o trabalho do caravaneiro como servidor, no exercício da humildade e tolerância, proporcionando a muitos corações oportunidade de trabalho assim como fonte de cura aos enfermos da alma;
dar oportunidade a tantas criaturas desejosas de praticar a caridade, de fazê-la através dos caravaneiros da Campanha;
aproveitar, também, o grande potencial da criança, ensinando-a a ser o caravaneiro do futuro.
Metodologia de Trabalho

A Campanha de Fraternidade Auta de Souza é uma tarefa que ocorre nos Centros Espíritas regularmente aos domingos pela manhã e está divida em três etapas:

1ª ETAPA: Reunião de preparação
2ª ETAPA: Realização do trabalho na rua
3ª ETAPA: Arrumação do material e avaliação

Fonte: Bases e regulamento da Campanha de Fraternidade Auta de Souza, 2.ed., em http://www.concafras.com/concafras/

QUEM É AUTA DE SOUZA?

1876 – 1906

Nasceu em Macaíba, então Arraial, depois cidade do Rio Grande do Norte, a 12 de setembro de 1876. Era magrinha, calada, de pele clara, um moreno doce à vista como veludo ao tato. Era filha de Eloi Castriciano de Souza, desencarnado aos 38 anos de idade, e de Dona Henriqueta Rodrigues de Souza, desencarnada aos 27 anos, ambos tuberculosos. Antes de ela completar 3 anos, ficou órfã de mãe e, aos 4 anos, de pai. A sua existência foi assinalada por sofrimentos acerbos. Muito cedo conheceu a orfandade e ainda menina, aos dez anos, assistiu à morte de seu querido irmão Irineu Leão Rodrigues de Souza, vitimado pelo fogo produzido pela explosão de um lampião de querosene, na noite de 16 de fevereiro de 1887. 

Auta de Souza e seus quatro irmãos foram criados em Recife, no velho sobrado do Arraial, na grande chácara, pela avó materna, Dona Silvina Maria da Conceição de Paula Rodrigues, vulgarmente chamada Dindinha, e seu esposo Francisco de Paula Rodrigues, que desencarnou quando Auta tinha 6 anos.

Antes dos 12 anos, foi matriculada no Colégio São Vicente de Paulo, no bairro da Estância, onde recebeu carinhosa acolhida por parte das religiosas francesas que o dirigiam e lhe ofereceram primorosa educação: literatura, inglês, música, desenho e aprendeu a dominar também o francês, o que lhe permitiu ler no original: Lamartine, Victor Hugo, Chateubriand, Fénelon.

De 1888 a 1890, a jovem Auta estuda, recita, verseja, ajuda as irmãs do Colégio, aprimora a beleza de sua fé, na leitura constante do Evangelho.

Aos 14 anos, ainda no Educandário Estância, em 1890, manifestaram-se os primeiros sintomas da enfermidade que lhe roubou, em plena juventude, o viço e foi a causa de sua morte, ocorrida na madrugada de 7 de fevereiro de 1901, quinta-feira, à uma hora e quinze minutos, na cidade de Natal, exatamente com 24 anos, 4 meses e 26 dias de idade. Os médicos nada puderam fazer e Dindinha retornou com todos para o Rio Grande do Norte. Auta foi sepultada no cemitério do Alecrim e, em 1906, seus restos mortais foram transladados para o jazigo da família, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Macaíba, sua terra natal.

O forte sentimento religioso e mesmo a doença não impediram de ter uma vida absolutamente normal em sociedade.

Era católica, mas não submissa ao clero. Ela não se macerou, não jejuou e jamais se enclausurou. Era comunicativa, alegre, social. A religiosidade dela era profunda, sincera, medular, mas não ascética, mortificante, mística. Seu amor por Jesus Cristo, ao Anjo da Guarda, não a distanciaram de todos os sonhos das donzelas: amor, lar, missão maternal. Com 16 anos, ao revelar o seu invulgar talento poético, enamorou-se do jovem Promotor Público de Macaíba, João Leopoldo da Silva Loureiro, com a duração apenas de um ano e poucos meses. Dotada de aguda sensibilidade e imaginação ardente, dedicava ao namorado amor profundo, mas a tuberculose progredia e seus irmãos convenceram-na a renunciar. A separação foi cruel, mas apenas para Auta. O Promotor não demonstrou a menor reação. É verdade que gostava de ouvi-la nas festas caseiras a declamar com sua belíssima voz envolvente, aveludada e com ela dançar quadrilhas, polcas e valsas, mas não era o homem indicado para amar uma alma tão delicada e sonhadora como Auta de Souza. Faltava-lhe o refinamento espiritual para perceber o sentimento que extravasava através dos olhos meigos da grande poetisa.

Essa sucessão de golpes dolorosos, marcou profundamente sua alma de mulher, caracterizada por uma pureza cristalina, uma fé ardente e um profundo sentimento de compaixão pelos humildes, cuja miséria tanto a comovia. Era vista lendo para as crianças pobres, para humildes mulheres do povo ou velhos escravos, as páginas simples e ingênuas da História de Carlos Magno, brochura que corria os sertões, escrita ao gosto popular da época.
A orfandade da poetisa, ainda criança, o desencarne trágico de seu irmão, a moléstia contagiosa e a frustração no amor, esses quatro fatores amalgamados à forte religiosidade de Auta, levaram-na a compor uma obra poética singular na história da Literatura Brasileira: Horto, seu único livro, é um cântico de dor, mas, também, de fé cristã. A primeira edição do Horto saiu do prelo em 20 de Junho de 1900.

O sofrimento veio burilar a sua inata sensibilidade, que transbordou em versos comovidos e ternos, ora ardentes, ora tristes, lavrados à sombra da enfermidade, no cenário desolador do sertão de sua terra.

Em 14 de novembro de 1936, houve a instalação da Academia Norte-Rio Grandense de Letras, com a poltrona XX, dedicada a Auta de Souza.

Livre do corpo, totalmente desgastado pela enfermidade, Auta de Souza, irradiando luz própria, lúcida e gloriosa alçou voo em direção à Espiritualidade Maior. Mas a compaixão que sempre sentira pelos sofredores fez com que a poetisa, em companhia de outros Espíritos caridosos, visitasse constantemente a crosta da Terra. Foi através de Chico Xavier, que ela, pela primeira vez, revelou sua identidade, transmitindo suas poesias enfeixadas em 1932, na primeira edição do Parnaso de Além Túmulo, lançado pela Federação Espírita Brasileira.

Em sua existência física, Auta de Souza foi a ave cativa que cantou seu anseio de liberdade; o coração resignado, que buscou no Cristo o consolo das bem-aventuranças prometidas aos aflitos da terra. Além do túmulo, é o pássaro liberto e feliz que, tornado ao ninho dos antigos infortúnios, vem trazer aos homens a mensagem de bondade e esperança, o apelo à fé e à caridade, indicando o rumo certo para a conquista da verdadeira vida.

A Campanha de Fraternidade Auta de Souza, idealizada pelo companheiro Nympho de Paula Corrêa e aprovada, em 3 de fevereiro de 1953, pelo Departamento de Assistência Social, da Federação Espírita do Estado de São Paulo, então dirigido pelo saudoso confrade José Gonçalves Pereira, é uma bela homenagem à nossa querida Poetisa, Auta de Souza.

× Como posso te ajudar?

Política de Privacidade — Garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos usuários é de alta importância para nós, todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que utilizam nossos sistemas serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de Outubro de 1998 (Lei n.º 67/98). As informações pessoais recolhidas podem incluir nome, e-mail, telefone, endereço, data de nascimento e/ou outros. O uso de nossos sistemas pressupõe a aceitação deste Acordo de Privacidade. Reservamos o direito de alterar este acordo sem aviso prévio, por isso recomendamos que você verifique nossa política de privacidade regularmente para manter-se atualizado(a). Anúncios — Assim como outros sites, coletamos e utilizamos informações contidas em anúncios, como seu endereço de IP (Internet Protocol), seu ISP (Internet Service Provider), o navegador utilizado nas visitas a nossos sites (Chrome/Safari/Firefox), o tempo de visita e quais páginas foram visitadas. Sites de Clientes — Possuímos ligação direta com os sites de nossos clientes, os quais podem conter informações/ferramentas úteis para seus visitantes. Nossa política de privacidade não se aplica a sites de clientes, caso visite outro site a partir do nosso, deverá ler sua própria politica de privacidade. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses sites. Para maiores informações, entre em contato conosco.